html> Revista Zingu! - arquivo. Novo endereço: www.revistazingu.net
Anti-musas
Avril Lavigne

Por Melody Westenra

Sim! Sim! Finalmente alguém que honestamente vai desarmar a tão chamada beleza de algumas divas desse nosso adorável mundo. Veja bem, eu não sou nenhuma baranga verruguenta tentando destilar minha inveja – admito que não sou lá grandes coisas esteticamente, mas acontece que eu sei identificar beleza real. E convenhamos, a grande maioria das pessoas realmente precisa parar de cair nos truques mais do que batidos de maquiagem-cabelereiro-photoshop-ângulos-estratégicos-luzes-direcionadas.

E minha primeira vítima será aquela que tem o mérito de ser pseudo em todos os aspectos possíveis: Avril Lavigne.

À parte o fato de sua música ser nojenta, quero me concentrar no estilo pífio de se vestir, nas maneiras estúpidas de agir e, óbvio, na feiúra absoluta da famosa pós-adolescente.

Essa, ao lado, provavelmente, é a Avril que vocês conhecem. Não vou negar, ela parece atraente nessa foto. E é claro que, se perguntada, ela diria que a ‘coisa’ dela não é parecer atraente e sexy nas fotos. Inclusive, a moçoila já comentou em várias entrevistas que odeia ser tocada e que faz sua própria maquiagem. Aham, Avril....


Ok, qualquer celebridade tem sua equipe de embelezamento. Não julguemos a cantora por isso. Mas, por favor, como respeitar alguém que REALMENTE precisa de uma maquiadora, e não admite isso nos meios públicos aos quais se dirige? Digamos até que os agentes, empresários, ou seja lá quem forem, tenham dito à garota para agir como uma beldade natural sem frescuras hollywoodianas – convenhamos que esse mesmo empresário deveria prestar atenção em qual tipo de foto da protegida está sendo divulgada. Conflito de informações é algo nada agradável no mundo artístico. Especialmente quando no site oficial de Lavigne existem fotos como essa:

Nada como um momento Kodak da vida real para destruir os sonhos de milhões de adolescentes excitados, não é mesmo? Quem é que não se atiraria da própria janela ao, tendo ido dormir com a mocinha bonita lá de cima, acordar ao lado desse monstrinho aqui?

Se fosse possível, eu aconselharia a pop star a escolher melhor o empresário. Porque, como se não bastassem as contraditórias informações as quais deixam a moça numa situação que beira o patético, alguém ainda cai nesse papo riot grrrrl rebelde neo-punk?

Quer dizer, a primeira vez que eu vi Avril na televisão, ela era uma skatista, daquelas com a conversa mole ‘girl power’, usando gravata e tênis maloqueiro. Quando a vi novamente, ela estava numa fase punk, usando um daqueles cintos pretos com rebites - esses que, hoje em dia, os tais ‘emos’ adoram -, converse allstar e unhas pretas. Essa foi a época em que ela teve a audácia (e burrice) de dizer algo do tipo “Eu sou o novo Sid Vicious”, frase que é digna de se tornar épica, e que foi respondida magistralmente por Johnny Rotten (“É bom que seja mesmo, porque ele já está morto”). Atualmente, em tempos de Evascence e Nightwish, ela virou “goth princess”.

Mas, até aí, Madonna já foi material girl, puta de esquina, lésbica, gueixa, modern woman, pensadora introspectiva e agora é mãe de família. Angelina Jolie era a esquisitona que dava para o próprio irmão, passou para gostosa exótica que carregava o sangue do marido no pescoço e agora adota uma criança asiática por dia. Britney Spear foi virgem por anos, em seguida virou praticamente uma atriz pornô em seus clipes, casou com um desses montes de rappers brancos que pululam por aí desde o fenômeno Eminem e já teve uns quinze bebês. Christina Aguilera era uma loirinha mignon fofa, virou vagabunda semi-nua, agora anda por aí com um visual vintage magnífico – embora infelizmente sua música não tenha acompanhado a evolução visual. Até aquela gorda filha do Ozzy Osbourne passou de “Minha cor favorita é rosa e eu adoro bichos de pelúcia e Backstreet Boys” a “Vai se foder, porra, eu sou punk-do-mal-curto-um-rock-muito-foda”.

Ou seja, é impossível que alguém se importe com a falsa atitude de Avril, num mundo em que semanalmente nossos ídolos mudam suas imagens. Também é difícil que haja uma compreensão em larga escala de sua falta de talento numa era em que Charlie Brown Jr é idolatrado e o show do Rebelde junta milhões de fãs. E, sinceramente, nada disso importa. As massas sempre agiram de um modo meio idiota, historicamente. É triste que, no nosso modo de vida atual, o circo das massas possa ser considerado arte, mas, ao mesmo tempo, é bom para as massas que elas estejam se divertindo. Mas que a Avril é feia, isso vocês não podem mais negar.



Criar um link

<< Capa